STAR (Situation, Task, Action e Result)

Publicado 23 horas atrás por
Método STAR

Existem diferentes maneiras de você se preparar para uma entrevista de emprego. Pesquisar sobre a empresa, falar com pessoas que já passaram pelo mesmo processo seletivo e estudar o segmento são apenas algumas delas. Mas, um ponto extremamente importante é pensar previamente nas perguntas que poderão ser feitas pelos entrevistadores e se preparar.

STAR é um método para você responder perguntas de entrevistas de emprego de uma maneira clara, estruturada e que acaba sendo perfeito para você utilizar em entrevistas de perguntas comportamentais. O acrônimo STAR vem do inglês e faz referência a Situation (Situação),  Task (Tarefa), Action (Ação) e Result (Resultados).

Na prática, o STAR nada mais é que uma referência de como você deve estruturar suas respostas em uma entrevista de trabalho para perguntas comportamentais. Ou seja, é quase que uma linha de raciocínio que você deve seguir para contar sua história.

O que são entrevistas comportamentais?

Entrevista comportamental é um formato de entrevista que costuma ser utilizado quando o recrutador quer entender os comportamentos de um candidato no ambiente de trabalho. Nesse formato, os recrutadores utilizam comportamentos do passado para prever a reação do candidato em situações futuras, ou seja, a forma que o candidato lidou com situações no passado passa a ser um bom indicativo de como ele irá lidar com problemas que irão surgir no futuro.

Em uma entrevista comportamental muito provavelmente o candidato será questionado como ele se comportou em algumas situações no passado, geralmente situações no ambiente de trabalho.

Esse formato de entrevista tem ganho cada vez mais espaço dentro dos processos seletivo, mas, ainda são poucas as empresas que possuem um processo exclusivamente com questionamentos comportamentais. Uma excessão a essa regra é o da gigante do varejo Amazon, que ficou famosa por utilizar entrevistas comportamentais ao longo de todo o seu processo de recrutamento.

Abaixo separamos alguns exemplos de perguntas para te ajudar a entender o que é uma entrevista comportamental:

  • Pode me contar uma experiência profissional em que você teve de ir além do seu escopo original de trabalho?
  • Pode me contar uma situação em que você não concordou com algum chefe seu?
  • Descreva uma situação em que você teve de persuadir alguém para acreditar em alguma ideia sua.

Método STAR:

Como citamos anteriormente, STAR é o acrônimo para Situation, Task, Action e Result, sendo que cada uma dessas etapas faz referência a um pedaço da sua resposta para um questionamento comportamental. Ou seja, quando você se confrontar com um questionamento como algum dos mostrados acima, você deverá estruturar sua resposta quebrando ela em 4 partes conforme abaixo:

  • Situation (Situação): É a primeira parte da sua resposta e deve detalhar uma situação na qual você confrontrou aquele tipo de desafio. Essa talvez seja a parte mais importante da sua resposta pois é ela quem define qual situação você abordará para responder o questionamento.  Tipicamente é recomendado que você opte por uma experiência que aconteceu no ambiente de trabalho, outro ponto importante é você sempre escolher uma situação na qual você teve uma participação ativa.
  • Task (Tarefa): É a hora de você descrever a sua colaboração/atuação na situação e quais eram suas responsabilidades.
  • Action (Ação): Agora, é a hora de você dizer o que fez para resolver o desafio. Quais atitudes você tomou, como abordou o problema  e quais desafios teve de superar. Foque sempre nas suas contribuições e não nas do seu time ou gestor.
  • Result (Resultado): Por fim, destaque os resultados finais da ação que você tomou. Vale destacar números, aprendizados e qual foi o impacto para a empresa. Lembre-se um fechamento bem feito é essencial para sedimentar na cabeça do entrevistador o resultado das suas ações.

Exemplos de respostas no formato STAR:

Pode dizer uma situação em que você falhou ou que um projeto que você fez não foi bem sucedido?
Em 2012, quando eu ainda era o responsável pela área de marketing e desenvolvimento de novos negócios em uma empresa de varejo online, fui encarregado de um projeto para expandir a nossa loja para 2 novos países na América Latina. Apesar do investimento não ser alto, eram projetos super importantes pois poderiam abrir 2 mercado para a empresa que procura por novas alternativas de crescimento. Eu fui o responsável por estudar os dois mercados e montar toda a nossa estratégia de entrada nesses países. Os mercados era bastante diferentes do Brasileiro e com certeza teríamos de fazer algumas adaptações na nossa proposta de valor. Ao longo de 3 meses montei um time pequeno e fizemos do planejamento para um lançamento no final daquele ano. Os resultados dos primeiros meses foram ruins, principalmente por que tínhamos constantes problemas com a adequação da solução para aqueles novos mercados. Os times de tecnologia e produtos não estava devidamente envolvidos com o projeto e daquela maneira com certeza as coisas não iriam funcionar. Os resultados do primeiro semestre foram bem abaixo da expectativa e notei que para que as coisas funcionassem eu precisaria de todo o apoio do time de tecnologia, inclusive, acredito ter sido uma falha minha não ter alinhado bem expectativas e as necessidades de recurso antes do início do projeto. Pedi ajuda para meus gestores e fizemos algumas reuniões com o time de tecnologia para realinharmos prioridades e também para termos recursos dedicados ao projeto de expansão. A partir desse momento as coisas começaram a funcionar. Ao longo dos próximos meses tivemos um crescimento bem acelerado e fomos inclusive capazes de bater as metas anuais da empresa. Hoje esses países são dois dos nossos principais mercados.

Conte uma situação em que você teve de discordar do seu superior.
Trabalhei por muito tempo em uma empresa de consultoria focada em tecnologia da informação. Um desses projetos foi para um banco e na época tínhamos de fazer uma escolha entre 2 possíveis tipos de tecnologia que poderíamos implementar. Meu superior acredita que a tecnologia X seria melhor, porém, eu tinha bastante confiança que a melhor tecnologia seria a Y. Afinal de contas, anteriormente eu havia trabalhado por muito tempo em uma empresa que atuava apenas na implementação desse tipo de tecnologia. Se optássemos pela tecnologia X teríamos um custo de manutenção muito maior e uma implementação muito mais complexa. Convidei meu chefe para conversarmos sobre o assunto em particular e lhe expliquei um pouco como eu via o problema, sobre as minhas experiências anteriores com a tecnologia X e deixe claro que na minha opinião, aquele não era a melhor opção. Propus que colocássemos tudo no papel e fizéssemos um comparativo detalhado das duas soluções. Quando fizemos isso, tudo ficou mais claro e foi extremamente fácil convencer meu chefe sobre mudarmos o projeto. Na verdade foi um dos primeiros projetos em que utilizamos essa tecnologia e inclusive foi um dos melhores resultados da empresa naquele ano que passou a utilizar a tecnologia Y cada vez mais.

Pode descrever alguma situação em que você teve de sair do seu escopo padrão?
Claro! Trabalhei por 4 anos em um e-commerce e o nosso grande período de vendas era a BlackFriday e as festas de final de ano, as vendas desse período representavam quase metade das vendas anuais. Eu era responsável pelo time comercial, mas, como as vendas não paravam de crescer notamos que se continuássemos no mesmo ritmo íamos começar a atrasar o envio dos pedidos. Decidi então reunir todo o time comercial da empresa e pedir uma ação especial para conseguirmos despachar o máximo de pedidos nos próximos dias. A participação das pessoas era opcional, mas, muita gente participou! Nos juntamos e ao longo dos próximos 3 dias conseguimos praticamente eliminar o atraso que tínhamos e com isso garantir de que os clientes recebessem seus produtos a tempo. O resultado final? Um record de vendas e também nenhuma reclamação por atraso no envio.
 

Erros comuns em entrevistas comportamentais:

  1. Não responder a pergunta: O erro mais comum em entrevistas comportamentais é o candidato não conseguir se lembrar de uma situação e simplesmente não responder a pergunta feita pelo entrevistador. Se você possui alguns anos de experiência com certeza você já passou por uma situação ao mínimo parecida com a que foi perguntada pelo entrevistador.
  2. Ser muito genérico: Outra falha comum ao responder esse tipo de questionamento é ser muito genérico a acabar falando pouco sobre qual foi a sua contribuição específica para o problema. Alguns candidatos acabam dando respostas que não deixam clara a sua contribuição específica na situação, ou seja, não respondem propriamente a pergunta.
  3. Não estar preparado o suficiente: Por mais difícil que pareça, é importante você chegar preparado nas entrevistas comportamentais. É obvio que ao se preparar você nunca vai conseguir antever todas as possíveis questões que podem ser feitas pelo entrevistador, mas, se preparar quer dizer que você sabe como estruturar suas respostas e que estará tranquilo caso seja confrontado com esse tipo de questionamento. Faça alguns exercícios simples em casa, por exemplo, selecione algumas posíveis questões e pense na sua resposta seguindo o método STAR, se possível, anote em um papel.
  4. Escolher histórias inapropriadas: Escolher uma boa história para contar é essencial para você conseguir responder bem e demonstrar as experiências e comportamentos que o entrevistador está procurando. Antes da entrevista pense em que perfil o recrutador está procurando e tente sempre trabalhar com situações em seu comportamento está alinhado com o que a empresa procura.
Compartilhar:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

Quer deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TuaCarreira.com.br